Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Tejo e Sado

Por dentro dos dias e da vida

Por dentro dos dias e da vida

É frequente familias começarem a falhar o pagamento de empréstimos

escola640512_n.jpg

 

Pela manhã, regularmente a primeira coisa que costumo fazer é deslocar-me para comprar o jornal diário. Sou leitor do jornal «Público» desde a sua primeira edição, faz parte das minhas vivências diárias. Senti a partida de alguns cronistas, que me deliciavam matinalmente. Um deles recordo com saudade Eduardo Prado Coelho.
As minhas primeiras conversas matinais começam com o diálogo que estabeleço com as páginas impressas. Gosto de sentir nas mãos as páginas e folhear.
Vou lendo. Interrogando. Pensando. É uma conversa interior que permite, calmamente, sem preocupações. Estar ali, ler. Viver.

Hoje, a manchete alertava para o aumento de familias a pedir ajuda, perante o incumprimento no pagamento de prestações.
Referia-se que entre Janeiro e Setembro cresceram o número de pedidos de apoio e cresceu a “infidilidade financeira”, que é dito ‘são cada vez mais frequentes’.
O aumento de rendas altas, nos centros das cidades, levam familias a não pagar o crédito ao consumo. Mas, acrescenta-se que o fenómeno já se estende às periferias, é frequente as familias começarem a falhar o pagamento de empréstimos, sendo de destacar os atrasos dos empréstimos relacionados com prestações da habitação. Empréstimos sobre empréstimos, para manter a vida, ou a aparência de vida.E, por fim, surgem as penhoras de ordenados e de outros bens.
Leio. Penso. Pois, foi assim que tudo começou, naqueles tempos antes da entrada da troika. O crescendo de situações desta natureza, definida depois nas teses – ‘os portugueses vivem acima das suas posses’, são o sinal de um futuro anunciado.

Vou caminhando. Na escola do ensino básico, escuto os gritos das crianças brincando, saltitando, felizes, alheias aos movimentos da vida e da história. Sim, aprendi isso vivendo, a história está a fazer-se todos os dias.
Olho a parede da escola e reparo que as pinturas feitas pelos pais, tenho a ideia que foi numa das jornadas do Dia B, desapareceram, a nova pintura tapou os trabalho que, pelo que soube na altura, foi feito com carinho e uma grande paixão pelos pais.
Enfim, reparou-se o telhado e retirou-se o amianto. Colocou-se o alpendre na entrada. Muito bom. Pintou-se a escola. Aquelas pinturas, pelos vistos, estavam ali a mais. Incomodavam ? Eu gostava, gostava acima de tudo por terem nascido do amor e voluntariado de pais, de querem dar cor e alegria ao espaço do recreio. Estava giro. Era naif e criativo.
Mas, enfim, é talvez, a tal ‘modernidade’ que desconstrói o passado e faz nascer um futuro inócuo, sem a presença dos sentimentos que nascem no coração.
Quando ali passava olhava aqueles desenhos infantis e sentia as suas cores misturadas nas crianças a saltitar. Agora sinto o silêncio das imagens apagadas. Faz-me lembrar aquela pintura que foi pintada num Dia Mundial da Criança, na Piscina Municipal do Barreiro e, um dia, igualmente, por um critério de ‘modernidade caviar’, em vez de recuperar, decidiram apagar, destruindo a memória e uma das primeiras obras de arte urbana existente no Barreiro, que, por acaso, o seu autor foi Rogério Ribeiro, um dos grandes nomes da Arte Portuguesa contemporânea.

Pela rua de mão dada lá vão, o pai e a mãe da Elsa. Sorriem, Cumprimenta-mos. Um abraço e um beijo. Tudo bem. Trocas breves de palavras. Afinal são momento destes que nos fazem sentir o território onde vivemos, como parte da nossa consciência, donde viemos, o que somos. É isto que somos. Sim, é isto que somos, humanos de sorriso no rosto. Gente com história e memória, gente que fez esta terra chegar aqui, com filhos e netos e muita esperança. Vale a pena encontrar rostos que nos fazem sorrir e sentir que somos.

Uma das coisas que, por razões da actividade de jornalismo local que mantenho, diariamente vou tomando contacto com as redes sociais. Por vezes é interessante, outras vezes é arrepiante.
Na verdade, se há espaço onde a desconstrução social e da sociabilidade é uma marca da vida quotidiana é por ali, especialmente, no facebook, onde proliferam perfis falsos, anónimos, ou semi-anónimos, cuja ‘virtude’ é difamar e caluniar.
Há mesmo quem pense que estas redes sociais vieram para retirar espaço ao jornalismo, por isso existem agências que são pagas para manter páginas, vocacionadas para o ‘terrorismo urbano’. São a voz das estratégia dos donos. Eles não vivem, sobrevivem.
Não os costumo ler, nem lhes passo cartão. Mas sei que existem, pelo que, por vezes, os meus amigos vão comentando.
Os amigos não percebem e dão-lhes troco. O que eles querem é que falem deles, falem bem, ou falem mal, falem deles, só assim se sentem vivos. Eles são faciopatas!

Há uma grande diferença entre as redes sociais anónimas e o jornalismo local. O jornalismo tem rostos, está sujeito ao cumprimento de regras deontológicas, é um dos pilares da democracia.
Até já, divirtam-se!

António Sousa Pereira

 

Palavras

amontijo 005.JPG

 

 

As palavras não são grades,

onde prendes teus sentimentos.

 

As palavras não são grades,

onde escondes teus pensamentos.

 

Podes escrever a palavra amor,

podes escrever a palavra saudade.

 

As palavras não são grades,

quando escreves com dignidade.

 

As palavras não são grades,

ritmos de morte ou de vida,

elas, quando nascem no teu ser,

são sonho, energia, até…poesia!

 

António Sousa Pereira

Só quem luta, sente renascer o dia!

4julho 065.JPG

Do fundo do tempo, lá longe, lá, onde meus sonhos erguia, lá do fundo do tempo, escuto um cântico rasgando os nervos, feito em lágrimas de alegria.

Sento-me, aqui, na noite, no silêncio, esse, onde fico a pensar, nos passos, nos gritos, nas ondas do mar, no vento, em tudo que em mim, lá longe, bem longe, em poemas erguia, uma esperança escrita em sonhos, flores a nascer na Primavera.

 

Lá no fundo do tempo, em ecos de penumbras, escuto as palavras de Allende, os protestos contra o napalm do Vietname, os cânticos de liberdade, as armas, os barões, o pensamento escrito no “branco do branco” areal, as minhas mãos nas tuas mãos, abrindo as curvas da escuridão, na descoberta do corpo, talvez por dentro dos sons de nós, e, desfolhando em gritos, nas bandeiras caídas em Alcácer Quibir, um Império, o meu Portugal, que chorava em toques de melodias que quebravam o silêncio fechado em grades. Resistindo.

 

Lá no fundo do tempo, até onde me leva o pensamento, encontro essa energia, que me fez caminhar, num combate comigo próprio, sempre em busca da Liberdade, e, sempre, por dentro dos dias, do tempo, ingenuamente, com a criança que transporto dentro do coração, caminhei, acreditando, nisso, apenas nisso, que é preciso viver cada dia, fazendo de cada dia um caminho, após outro caminho, na busca de caminhos, caminhos que são esse caminhar, entre o sol e o luar, incansavelmente, com resiliência, batendo com força no peito, esse lugar, onde cada um de nós guarda os segredos, esses segredos, que nos movem: sim, apesar de tudo ela move-se. A vida.

 

Sim, se viver é andar, se viver é seguir o tempo com a força, com a alegria, com as mãos enrugadas de terra, o suor a rasgar os pensamentos, viver com criatividade e liberdade, é, certamente, viver com todos esses sonhos que emergem de longe, lá longe, e, aqui, agora, sentir como o cavador, cada dia, como quem lança sementes à terra, sorrindo, para ver a vida florescer, renascer, em flores e frutos. Sonhando.

 

Sim, só semeando, conseguimos dar vida à vida e, em cada dia, sentir nascer a vida e outra vida, porque nós, somos, sempre as sementes que lançamos no tempo que percorremos. É por isso, só por isso, que as amizades forjadas no sangue, se inscrevem no tempo, porque fazem parte das nossas lutas, que fomos e somos. Lutando.

 

Lá longe, bem longe, escuto aquela voz a cantar, na margem do rio, ali, onde ao fim da tarde sopra sempre o vento norte, e grita: Luta, porque, só quem luta, sente renascer o dia!  

 

António Sousa Pereira

Pensar a ponte Hong kong – Macau de 55 Km e Barreiro – Seixal de 400 metros

ponte__3__1_1024_2500.JPG

 

A noticia que corre as páginas da imprensa mundial, nos dias de hoje, é sobre a inauguração da ponte Hong kong – Macau, numa distância de 55 Km, com um túnel debaixo de água com cerca de 6Km.

Pelo que fomos lendo, a China avançou para este projecto não com uma visão local, mas com uma visão global, pois, de facto é salientado que um dos grandes objectivos deste projecto estruturante é promover a mobilidade e criar entre aqueles territórios – Macau, Hong Kong, Zhuhai – uma região que no futuro se afirme como “um gigante tecnológico” que possa rivalizar com Silicon Valley, nos Estados Unidos.
Um dos grandes objectivos desta ponte, refere-se, é, na verdade, aproximar Hong Kong e Macau de 11 cidades chinesas.
O percurso entre Hong Kong e Zhuhai, que demorava 4 horas, passa a ser feito em 30 minutos.
Esta noticia faz pensar se, no mundo de hoje, a competitividade, de facto, já não é entre cidades, mas sim, na verdade, entre regiões, essas, com capacidade de atrair empresas para os territórios, pela fluidez de mobilidade terrestre e, naturalmente, ás ligações aéreas.
A competição no mundo de hoje, reside no potenciar regiões metropolitanas, cuja escala não é local, nem internacional, é na sua influência no mundo e a forma como se colocam nessas estratégias de competitividade.

Leio esta notícia, nem sei porque razões, ou sei, talvez, por razões meramente subjectivas, dou comigo a pensar Barreiro e a pensar Área Metropolitana de Lisboa.

Penso Barreiro, porque sinto que este concelho, desde há décadas que está aqui, metido num canto, como se fosse um gueto da Península de Setúbal e da Área Metropolitana de Lisboa, quando, na verdade, ao nível territorial é uma centralidade.
Isto, porque não há uma ponte que permita que exista uma ligação rodoviária, rápida e eficaz, que ligue o Barreiro ao Seixal, e, desta forma dar massa critica aos dois concelhos.
Era a construção de uma ponte com cerca de 400 metros, que ligava os dois concelhos, evitando que as populações tenham que percorrer os actuais 16 quilómetros.
António Costa prometeu que poderia avançar com o Programa Portugal 2020. Está prometido. Mas se o assunto ficar no silêncio se não existir capacidade politica de reivindicar esta ou outra solução. Assim vamos continuar.

Depois, penso o que dizia Álvaro Mateus, quando se falou da mudança do novo aeroporto de Lisboa, previsto para a OTA, e, depois apontada para o Campo de Tiro de Alcochete.
Dizia que, era potenciar um aeroporto que iria contribuir para dar dimensão à AML - competir com Madrid – e, de facto, alargando a sua influência na margem sul, assim, nesta margem, nascendo, a tal cidade aeroportuária para dar a Lisboa, dimensão metropolitana e europeia.
E, naturalmente, neste contexto, avançar TTT, nem que fosse só ferroviária, pois ela faz parte do plano ferroviário nacional.
Em suma, era pensar Lisboa até Sines, uma Lisboa que devia, escutei depois, por outros, ser pensada de Peniche até Sines.

Afinal, isso, era dar a Portugal essa tal dimensão de plataforma Atlântica, afirmando-se com ligações até à Estremadura de Espanha, como “uma região no mundo”, de ligação à América, África, sendo aqui a porta da Europa.

E, de facto, foi isto que pensei hoje, ao ler esta noticia, e, imaginei que o Barreiro, era um lugar, um lugar central, neste pensar a AML e Portugal no mundo.
Porque afinal, no futuro, Portugal ou se pensa nesta competitividade mundial, ou ficamos assim, como um recanto para ser visitado…com o turismo, como a ponta de lança da nossa economia.

S.P.

 

És um rio

10559684_10203255904337004_6789676554149465768_n.j

 

És um rio onde mergulho, em ondas. És um rio onde navego, em movimentos.
És um rio onde flutuo, em beijos. És um rio onde viajo, em sonhos.
És um rio entre margens, um leito de nervos, onde me deito, em gritos de silêncio, rasgando o luar, por dentro das estrelas que fazem eternidade.

 

És um rio, feito de sangue, um abraço, sem fronteiras, nem limites, entre os ossos.
És um rio, um espelho, onde a paisagem, emerge a brilhar, com todas as cores, riscos no tempo, esses, que fazem nascer sorrisos, telas e poemas.

 

És um rio onde um moinho, transforma a vida. És um rio esse lugar onde uma gaivota, rasga o azul, para tocar o recomeço de um dia, renascendo a sorrir. E tu, ali, entre as margens, sorris.

 

És um rio, sempre a sorrir, por dentro dos dias, bem dentro do tempo, todo o tempo, aquele, que é, afinal o tempo de um rio que corre, vindo da nascente mais pura, essa fonte onde tudo começa, sempre, esse rio feito de amor.
És um rio, que se faz no tempo, primeiro é riacho, e, depois, em ti, desde criança, jovem, mulher, mãe, és um rio que se faz ribeiro, rasgando socalcos, abrindo brechas, construindo caves, fazendo sapais, lagoas e rasgando as margens até ao oceano. Vivendo a vida, sim porque a vida só é bela, quando se vive a viver.
És um rio, de loucura intemporal, a gritar na noite, de branco a sorrir, um rio feito ribeiro, e, afinal, sendo ribeiro, esse ribeiro que és tu, e, sim, só porque és tu, é teu, esse rio, feito ribeiro, é, pois, o rio mais belo. Um rio, que é um riso. Um rio que é um sorriso.

 

És um rio, e não há rio mais belo, que um rio, esse, que é um ribeiro a nascer dentro do teu querer e ser, aí, no coração, feito de todo o tempo que foste, rasgando os temporais, sorrindo nas bonanças e navegando sempre entre as ondas – a sorrir, sempre a sorrir.
O rio que és, o rio que fomos. O rio que somos. Um rio. Um mar. A vida.
Afinal, a vida é bela!

 

 

António Sousa Pereira
9 de Outubro de 2018

Nunca é tarde para viver a própria vida.

a26junho 032.JPG

 

 

Um dia é um tempo imenso para nos encontramos e reencontramos. Chega um tempo que a alegria da vida reside no sentir os dias por dentro, assim, entregues aos pensamentos que se transformam em acção. Viver.

Cada vez mais, sinto um enorme cansaço de tocar os dias com os nervos, à flor da pele, isso, de facto, é para aqueles que vão mudar e transformar o mundo.

 

Eu prefiro acordar, enquanto acordar, e, serenamente, seguir por dentro dos dias, com as emoções que fazem nascer o quotidiano e pensar o tempo que vivo. Vivendo.

Encontro a mãe da Rute. Cumprimentamo-nos. Ela diz que espera mais um neto. A Rute diz que quer ter uma equipa de futebol. É bom, o Barreiro e o país precisa de gente nova, gente que abre as portas do futuro.

Passa por mim um vizinho, com seu cão pela trela.

“Lá tem que ser”, comenta. “É vida”, respondo. Ao mesmo tempo penso naquele poema de Álvaro de Campos, que, na Tabacaria, recorda os cães, que também existem. É vida.

 

O Reis, lá vai, de caixa de bolo nas mãos e com um ar sorridente. “Então, quem faz anos hoje?”, pergunto.

“Sou eu”, respondeu. “Quantos?”, interroguei. “São 82”, sublinha. “Uma idade linda”, comento. Ele sorri e diz – “São 28”.

O Reis acompanhou-me nas lides do associativismo, integrou direcções e dedicou, como muitos, um pouco de si para fazer um mundo melhor. Afinal, quando vamos percorrendo os dias, e olhamos para o tempo vivido, o que enche o nosso coração é sentirmos que vivemos fazendo, construindo e legando futuro. Isso é que conta.

 

Fui comprar o jornal. Sento-me na esplanada. Leio as últimas do meu país. “Avenças fictícias alimentavam ‘saco azul’ do PSD. PJ acredita que dinheiro servia para pagar quotas e despesas de campanhas”.

E por essa Europa, “Itália sobe a parada e deixa Merkel em posição ainda mais difícil”.

“Marcelo e Trump discutiram plano para Portugal atingir meta de despesa da NATO”, rotinas da diplomacia.

Como diria o outro, que foi condenado – “Apesar de tudo ela gira”. É isso o mundo gira. Os juros na Europa parece que, em breve, poderão começar a subir, também é noticia de hoje, assim, na verdade, o presente começa a dar a entender  o que nos espera nos dias de amanhã. Que interessa isso, o que é preciso é festa. A malta quer é divertir-se.

É sempre o presente que anuncia o futuro. É sempre o presente que faz o futuro.  

 

Continuo sentado na esplanada. Leio o jornal, calmamente e medito sobre a aquela frase de Fernando Pessoa – “No fundo, o homem religioso é um hedonista”. Recordo Cabós Gonçalves, ontem homenageado no «Barreiro Reconhecido». Ele que se afirmava um hedonista e que dizia tinha estado no lado de lá, num túnel, entre a vida e a morte e regressou para retomar os dias na vida.

Esta é uma certeza que todos temos. Um dia partimos. A nossa eternidade será a memória daquilo que fomos.

 

Alguém conversa numa mesa ao lado, sobre a vida, os dias recentemente vividos no Hospital. Foi complicado. “Estou melhor”, dizia.

Esta conversa fez-me lembrar duas viagens de barco que fiz um destes dias. Ali, sentados a navegar no Tejo, escutamos conversas, principalmente daquelas pessoas que gritam quando conversam através do telemóvel. “Ele não quer saber nada do filho”. “A minha amiga vai ser minha fiadora, ela trabalha no estado, é garantido”. “Vou agora ao Hospital, ver a minha mãe está muito mal”. “Oh amor, estou a chegar, espera por mim no sitio do costume”. Olho, assim com curiosidade, para perceber  quem é o apaixonado. Penso deve ter os seus 80 anos. Sorriu.

Afinal, nunca é tarde para amar.

Sim, como nunca é tarde para viver a própria vida.

 

António Sousa Pereira

Um sorriso

atelha 015.JPG

 

 

Há dias que ando ausente, parto,

as palavras fogem, congelam,

solidificam por dentro em metais,

como se tudo ficasse em silêncio,

mergulhando no infinito de mim.

 

Nesses dias a poesia é o nervo, esse,

sinal que abre o túnel da Liberdade.

 

Pego num som e murmuro,

pego num cheiro e respiro,

toco na imensidão do espaço,

e viajo, entre o sonho e o real.

 

Sinto que regresso em palavras,

na textura dos meus sentimentos,

suavemente, tão suavemente,

como quem adormece nas ondas,

de um rio feito de todas as cores.

 

Nesse instante, único, comigo,

vejo a vida, todo o tempo, num poema,

a brilhar nos olhos -  um sorriso!

 

António Sousa Pereira   

Vamos ao trabalho!

agato 102.JPG

 

 

Há dias que ficam gravados, dias que não esquecemos, dias que marcam mudanças, dias que guardamos e recordamos, são as efemérides inscritas no tempo que percorremos. Registos.

O dia 1º de Maio, é um desses dias que guardo e recordo - o de 1974, esse, vivi, ali, dentro do quartel, apenas sentindo a agitação na rua e os cravos lançados para nós, militares, que junto ao muro saudávamos a multidão em festa.

Depois, ao longo dos anos, no dia 1º de Maio, lá íamos rumo a Lisboa, eu e a Lurdes ( um companheiro permanente, sempre, era o Helder Marques).  Subir do Martim Moniz até à Alameda. Sonhar. Acreditar.

Houve, um destes 1º de Maio, que no dia seguinte, lá vinha, na primeira página do «Diário de Notícias», a caminhar de casaco ao ombro e de gravata. Era o único de gravata no meio da multidão, eu, de facto, marcava, ali, uma diferença, entre gangas. Uma foto, a cores, que enchia toda a primeira página do DN, naquele dia de Maio, que um olhar atento do fotógrafo registou. Não recordo o ano, mas sei que foi nos anos 80.   

 

Mas, o 1º de Maio que ficou gravado na minha memória foi no ano de 1981.

Nesse dia findava as minhas férias de ex-operário da Quimigal, onde laborei na fábrica de Zinco Metálico.

Nesse dia, era, igualmente, o meu primeiro dia de funcionário público na Câmara Municipal do Barreiro.

E, nesse, findava a minha função de Director de «O Jornal Daterra», que passou a ser exercida pelo meu saudoso amigo Manuel Seixo.

 

O 1º de Maio foi, de facto, para mim, um dia que se inscreveu, por dentro dos nervos da vida. Um dia que marcou mudanças.

Ontem, véspera do 1º de Maio, dei uma volta pelos territórios da Baía do Tejo, recordei os dias de operário, senti os cheiros do Contacto 7, recordei as ruas de terra batida e de lamaçal ou pó. Revivi por dentro das memórias aqueles dias que se inscreveram, feitos de sonhos e lutas.

 

Sentei-me, ali, nas bancadas do antigo campo de Santa Bárbara, do Grupo Desportivo da CUF/Fabril, a olhar a distância, recordando que aquele era um espaço fechado, inacessível à cidade, e, agora, ali estava, num espaço aberto e livre, no meio daquele silêncio, apenas quebrado pelo suave ruído da Sovena.

Recordei que foi nesses dias de operário, nos anos de 1979/80 que entrei para associado do Grupo Desportivo da Quimigal, onde fui frequentar a Escola Aberta e, onde, por várias vezes, integrei o Júri dos Jogos Florais da Quimigal, que contava com centenas de participantes de todo o país e do Brasil. Era uma referência e um grande projecto de promoção da cultura.

E, agora, neste ano de 2017, a convite de Faustino Mestre, aceitei partilhar com ele os sonhos de uma equipa que quer dar força e revitalizar o Grupo Desportivo Fabril.

Fui eleito para exercer o cargo de Presidente da Mesa da Assembleia Geral, espero cumprir e dar o meu contributo. Sinto uma enorme honra por assumir este cargo, num clube com uma longa história de referência local, regional, nacional e internacional.

Foi uma enorme alegria, sentir que, todos nós, merecemos a escolha dos associados, naquelas que foram das eleições mais participadas do clube nos últimos anos. Obrigado.

 

Ali, em véspera do 1º de Maio de 2017, sentado ao meio da tarde, no antigo Campo de Santa Bárbara, no último dia de Abril, estive, intencionalmente, para recordar na memória os dias que vivi na fábrica, onde senti as palavras a fugir dos nervos, o calor das escórias dos dias e uma grande esperança de futuro a marcar os vincos das ideias numa enorme vontade de pensar e agir com sonhos no coração. Sonhando!

 

Hoje, dia 1º de Maio, escrevo estas palavras, revivendo todos os sentimentos que marcaram e marcam este dia, no seu simbolismo histórico e real, de muitas homens e mulheres que viveram acreditando que é possível, é sempre possível, construir um mundo melhor.

Eu acredito, sim, apesar de tudo acredito, continuo a acreditar que é possível cada um, com a sua pequena acção, dar um contributo para deixarmos o mundo um pouco melhor que o encontrámos.

Vamos ao trabalho!

 

António Sousa Pereira

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

COMUNICAÇÃO SOCIAL

AUTARQUIAS

ESCOLAS

EMPRESAS

BLOGUES DO BARREIRO

ASSOCIAÇÔES E CLUBES

BLOGUES DA MOITA

SAPO LOCAL

PELO DISTRITO

CULTURA

POLITICA

TWITTER

FACEBOOK ROSTOS