Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Tejo e Sado

Por dentro dos dias e da vida

Por dentro dos dias e da vida

“O sonho nunca deve estar preso!”

 

305631820_10224266169060491_7446775648993222159_n.

Um destes dias um amigo, conterrâneo, companheiro da Escola Primária, alunos da mesma professora a D. Ana, num reencontro após mais de 60 anos, através das redes sociais, dizia-me, coisa que nem me lembrava, que nos tempos de escola, eu afirmava: Quero ser jornalista. Dizia isso, talvez, por na proximidade da minha rua estar a redacção do «Jornal do Algarve», que eu via chegar, e, por vezes, ajudava a dobrar com uma alegria enorme, ou, então, porque, naquele tempo, de criança me deliciava a guardar e ler com entusiasmo, na sede do Lusitano Futebol Clube, os suplementos editados pelo Diário de Notícias e pelo Século – “A Nau Catrineta”, e, o “Pim, Pam, Pum”.

 
Não recordava aquelas palavras que o João Paulo evocou, mas, recordo que, sempre, desde sempre, gostei de ler, ler, e ler muito, sendo assíduo da Biblioteca da Gulbenkian, quando vinha a carrinha, e, pouco depois, das instalações que funcionavam frente à taberna do Joaquim Gomes, no edifício da Câmara, onde a D. Francisca, me recebia com carinho e orientava para as estantes, das quais podia levar livros para casa. Os sete. Os cinco. As aventuras. Os Contos. Um mundo que me fascinava e onde eu me encontrava com todos os sonhos. Um menino que cedo começou a ter que descobrir as amarguras de crescer. Terminada a Escola Primária, aos 10 anos, já trabalhava.
 
Recordo esta memória do meu amigo, porque, curiosamente, no dia 25 de setembro de 1973, faz hoje 49 anos, foi publicado o meu 1º artigo no jornal «República», tendo como tema os «Jogos Juvenis do Barreiro» - uma noite no campo de jogos do 31 de janeiro.
E, também, no dia 25 de setembro de 2002, faz hoje 20 anos, começou a ser editado o «Rostos on line», numa acção no mundo da comunicação social concretizada entre os pioneiros de jornalismo digital em Portugal.
 
A primeira vez que exerci a actividade de jornalista ao nível profissional foi no jornal «O Setubalense». Depois vivi outras experiências, de correspondente e projectos diversos, desde a fundação de «O Jornal Daterra», já lá vão 45 anos, passando por pela função de Chefe de Redacção e Director do Jornal do Barreiro, uma das mais belas experiências de relações humanas, de amizade e de ligação do jornalismo com a vida.
 
Enfim, de facto o jornalismo, o fazer jornalismo, está na minha vida, não é por mero acaso que, quando fui dirigente cooperativo e na vida associativa dinamizei e coordenei projectos como o jornal «O Cachaporreiro», na SFAL, ou a revista ECOOP, nas cooperativas de consumo.
Outra parte da minha vida foi ligada ao mundo da Informação e Relações Públicas, que exerci na Câmara Municipal do Barreiro, com projectos pioneiros e modernizadores da comunicação.
 
O jornalismo e a comunicação fazem parte no meu modo de estar na vida de forma irreverente, critica, avassaladora, e, como fazedor de jornalismo, mais do que ser jornalista, tenho procurado intervir na vida da comunidade.
 
Uma actividade generosa, linda, cativante, através da qual pude viver e sentir o ser humano nas suas diferentes dimensões, do bem e do mal, do belo e do feio, do mobilizar ao desmotivar, da relações do jornalismo com o poder, dos telefonemas, dos recados, das pressões, sorrisos, pancadinhas nas costas, tanta coisa, tanta coisa que algumas fazem mesmo doer os nervos.
 
Sim, o jornalismo permite conhecer a comunidade, na sua diversidade, nas suas relações interclassistas, na sua dimensão cultural, das artes, das letras, do teatro, da politica, do desporto. Ser fazedor de jornalismo, mesmo nesta dimensão regional exige, atenção, trabalho constante, fazer com prazer e sentir as palavras como sangue da vida. Criam-se amigos. Criam-se adversários. Nunca criei inimigos. Eles, ou elas, se o são, que façam a gestão dessa inimizade, por mim, limito-me a desviar. Gosto de cultivar amizade. Sou mais feliz.
 
O jornalismo fez-me viver momentos únicos, uns de alegrias, outros de tristezas. Páginas únicas. Memórias únicas.
O jornalismo sempre me permitiu viver cada dia como sendo um dia diferente, porque há sempre algo no futuro que espera por nós quotidianamente.
Um fazedor de jornalismo tem que viver com a alegria de sentir que o seu trabalho dá frutos, e que vale a pena, vale sempre a pena. Quer escrevendo memórias. Quer alertando. A criatividade é fazer noticia.
 
Um fazedor de jornalismo é uma voz activa na vida de uma cidade, isso, dá um prazer enorme, quando vivido com dignidade.
Há quem não goste, e, isso, de facto ainda dá um prazer maior, porque faz o sangue pulsar nos sonhos. A palavra dignidade é, sempre foi, mais forte que o banquete do silêncio.
 
Afinal, enquanto a liberdade o permitir os sonhos nunca deixarão de florir.
Viver o jornalismo, ser fazedor de jornalismo, também cansa, também esgota, e, neste dia, que passam 49 anos do meu 1º artigo editado no jornal «República» e 20 anos do começo da edição do Rostos on line, sinto o cansaço nos ossos, as palavras curvam-se nos meus nervos.
 
Sim, estou a ficar cansado, mas não é cansado do fazer jornalismo, isso continua a dar energia e prazer. Fico tão feliz ao viver esta actividade todos dias, que é, acreditem, como ao acordar renascer diariamente.
O que cansa não é o cansaço do fazer, o que cansa é o cansaço do vazio. As estórias que se repetem. Sempre iguais. Ou sempre a mesma coisa, sendo outra coisa qualquer.
 
Digo-vos, é belo sentir todos os dias que, alguém, num recanto da cidade, partilha em breve conversa: “soube desta iniciativa pelo Rostos”, “estou aqui porque li no Rostos”, “obrigado Rostos pela reportagem”. É belo. Isto não tem preço que pague, a liberdade de fazer, por fazer, por amor e paixão. Um serviço civico.
 
É por isso que estou aqui, todos os dias, enquanto a democracia o permitir, vou caminhando, porque, como diz o poeta: o caminho faz-se a caminhar. Estou aqui a sonhar! Sim, estou aqui, com 70 anos vividos, e neles continuo a sonhar!
Sim, estou aqui pelo sonho, apenas pelo direito de sonhar, e, como dizia o Rei D. Carlos – “os poetas e os jornalistas são sonhadores e sonham…o sonho nunca deve estar preso!”
 
António Sousa Pereira
 
Nota – Hoje, dia 25 de Setembro, o Lavradio celebra o seu 37º aniversário de elevação a Vila. Foi uma campanha promovida pelo «Jornal Daterra» que levou a ser apresentada a proposta na Assembleia da República.
Lavradio a terra dos meus filhos, a minha terra adoptiva, que no ano de 1998, me distinguiu com o Galardão «Lavradio Reconhecido».
Parabéns ao Lavradio e a todos os lavradienses.

Ao fundo o laranjal continuará verde

Maria rosa colaço.jpg

 

Todos nós, no tempo que vivemos, conhecemos pessoas que se inscrevem nas nossas memórias. São, afinal, essas memórias que enchem os nervos de cor e musicalidade.

A vida mais bela, a vida bela que toca os nervos, que fica erguida no tempo, para além, muito para além dos escombros, é sempre feita das alegrias e lágrimas que aquecem o coração.

A beleza da vida é descobrirmos, diariamente, para lá dos recantos das rotinas, a frescura de um olhar, um poema que se escreve nos olhos, ou num sorriso, sussurrando palavras que acordam o futuro, como se o futuro existisse vivo, em todas as memórias por nascer.

Uma amiga que nunca esqueço que me ensinou a amar a Liberdade, que me ajudou a descobrir a palavra Paz, que escuto sempre o seu sorriso no voo de uma gaivota, ali, quando me sento a pensar na Catedral do Tejo, no dia de hoje, se fosse viva, festejava os seus 87 anos.

Recordo-a sempre.

Ainda em Agosto, fui beijar a ternura da sua ausência ali, no Torrão, em Alcácer do Sal, a sua terra natal, onde ela descansa a olhar a eternidade, na planície que se estende até ao Sado, onde – “ao fundo o laranjal continuará verde” – como ela escreveu num poema que me dedicou no ano de 1991, e, só este ano, descobri que estava publicado no seu livro de poemas – “A palavra Iluminada”.

Falo de Maria Rosa Colaço. A mulher que antes do 25 de Abril, escreveu o livro-poema: «A Criança e  a Vida», que semeou palavras em histórias de amor para crianças. Esse livro, que era senha de Liberdade. Que era voz de ternura. Que era dor de saudade. Quer era força de fraternidade. Que era a voz que se faz amor, por amar, por amor.

Esse livrinho que ofereci à minha Lurdes, para lhe beijar o coração com palavras de criança. O livrinho que passava de mãos em mãos, com palavras a inventar o sol azul, e, pássaros a beijar o amor pela madrugada, e, com os dias a fervilhar no sangue o encanto da palavra Liberdade.

 

Falo da minha irmã, como ela sempre me tratou - Maria Rosa Colaço - que um dia no Lavradio, me estimulou para escrever poesia, e, que disse-me com energia que publicasse um livro de poemas, porque, afirmava, tu tens os “poemas à tona da pele”, e, as tuas mãos semeiam poemas por dentro de todas as palavras. Nunca escrevi o livro de poemas que lhe prometi que, um dia iria escrever, mas, talvez, um destes dias venha a cumprir, porque, afinal, escrever um poema é sempre dar um sentido à vida. E a beleza da vida é ser poema.

Para que serve um poema? Interrogo-me muitas vezes.

Talvez sirva para recordar uma janela na noite escura. Ou inscrever um beijo na eternidade. Ou tocar na cascata de sentimentos escondidos na ternura do luar. Ou guardar a distância da penumbra que se esconde por trás de um olhar de magia. Ou sentir a criança a gritar na hora de nascer no sol colorido de placenta brilhante. Ou, apenas, para fazer renascer as flores, os cravos vermelhos, que colocámos a teus pés, no dia que fomos dizer-te adeus, eu e a Manuela Fonseca, e, ali, dizer um poema onde Abril estava por cumprir, esse Abril que tu sempre guardas-te nos teus nervos vindo das ondas do Indico, até às ondas das searas do teu Alentejo, ou, ainda, aos dias de Almada que vias as crianças na escola a escrever PAZ em todas as línguas do mundo.

As crianças que te diziam que eras a Maria sem laço, porque eras Colaço e não tinhas laço.

Ou, talvez, o teu espanta pardais a dizer-te adeus em Toronto, que recordavas a sorrir, em asas de Anjo, cantadas pelo Francisco Ceia.

Recordo-te hoje, ao fim do teu dia, a data que está inscrita nesta memória que faz parte das memórias que enchem os meus nervos de cor,  musicalidade e essa saudade que se escreve amor ao futuro.

Um dia vamos conversar. Um beijo.

 

António Sousa Pereira

 

Romance «A Caneta Infeliz», de Carlos Alberto Coreia É, talvez, isso: “movemo-nos em linha de montagem”…na sobrevivência.

294466279_10224747265861936_7428445364554989061_n.

Li o romance «A Caneta Infeliz», de Carlos Alberto Coreia, já lá vai algum tempo. E só hoje, optei por escrever uma nota comentário sobre o romance.

Recordo, que a seu convite participei num  jantar, em Junho, ali, em Casquilhos, no Restaurante «Pega e Leva»,  onde o meu amigo regulamente almoça com um grupo de professores e amigos. Esse encontro- jantar teve por finalidade apresentar o romance e dar um abraço a Duarte Barreiro.

Carlos Alberto Correia, na abertura do seu romance, sublinha que Duarte Barreiro, proprietário do restaurante, num desses almoços regulares, teve dificuldades em utilizar a sua esferográfica, e, nessa situação, terá utilizado a expressão: “Eta! Caneta Infeliz!”.

E, foi assim, por um mero acaso da vida, que nasceu o título do romance : “A caneta infeliz”.

Nesse jantar, de forma espontânea, no meio de palavras que se cruzavam, escrevi um texto, através do qual pretendi expressar a minha visão da leitura do romance de Carlos Alberto Correia, que tinha acabado de ler no dia anterior, e, dessa forma dar o meu abraço de gratidão ao escritor, agradecendo-lhe de forma simbólica a agradável a leitura que me proporcionou e a viagem pelas estórias que fazem a história da condição humana.

O texto que escrevi, na tolha da mesa, e ofereci ao Carlos Alberto Correia, a propósito deste seu 3º romance, foi este que transcrevo:

 

O Álvaro tem um sonho.

A vida é uma tragédia.

O Álvaro vende o sonho.

A vida consome o Álvaro.

O Álvaro hipoteca o sonho.

A vida engole o Álvaro.

O Álvaro engole a vida.

É vida!

 

O romance de Carlos Alberto Correia é, na verdade, uma lição de vida, sobre a vida. A vida onde somos trucidados. A vida que erguemos sempre que desobedecemos. A vida como diz Álvaro, onde, “movemo-nos em linha de montagem”. A vida é dura. As circunstâncias. Os gritos. Os sonhos. A vida nas cidades, nas empresas, na nossa rua, em cada rua feitas de estórias e de silêncios. Escolhas. Uma sociedade que, cada vez mais nos obriga a viver o tempo do já, como Álvaro recorda a sociedade moderna, não tem tempo para leitura ou escrita – “funcionamos em circuito fechado”.

 

O romance «A Caneta Infeliz» fala-nos de tudo o que somos e de todos os temas que fazem o tempo que somos. Talvez, cada um de nós, se encontre, em mimêsis, nos contextos, nos factos, nas memórias de antes de Abril, ou até mesmo depois de Abril.

Um romance que através das circunstâncias, dos sonhos do Álvaro, ou até de projectos da comunidade, de jogos políticos, de conceitos culturais, de lutas e diálogos, os partidos, as relações humanas, o prestar serviços, a submissão, os tormentos, as depressões, as prisões, as fugas, a emigração, a clandestinidade, o amor, a memória, a consciência e outras questões, afinal, um romance onde está de forma plena, em totalidade, a vida das gentes do meu país, nesse tempo que Abril estava por nascer, e, nas conversas com palavras sussurradas, a tocar nos nervos, foram-se inscrevendo no quotidiano, ao longo do tempo e das vidas vividas e matadas, todas as sementes que continuam a germinar, nos dias de hoje, nas angústias de um Portugal por cumprir e na individualidade de cada um quando pára e pensa a busca de um sentido para a vida.

 

Neste romance sentimos as ideias borbulhar nas estratégias e tácticas que consomem a vida, embrulhadas em ideologias, que são meras coberturas de chocolate. Há sempre alguém que como o bolo – na resistência ou na Liberdade.

É por tudo isso que, na realidade : “A vida engole o Álvaro. O Álvaro engole a vida.”

 

O romance de Carlos Alberto Correia é sobre tudo isto, sobre o preço da vida, das vidas que se compram e se vendem, sobre as ideias que se esgotam nos esgotos, das quezílias barulhentas da sobrevivência, uma viagem pura e dura, por dentro da beleza dos sonhos e da tragédia da própria vida.  

Um romance que permite pensar o tempo e como na vida, entre os sonhos e o real, o acaso, as circunstâncias, deixam sempre uma porta aberta para  sonhar, e perante todo e qualquer libelo que silencie a memória, restarão sempre os livros, e, talvez, a poesia que ficam como um grito para além do... “não ser da eternidade”. A morte é o infinito.

«A vida engole o Álvaro. O Álvaro engole a vida.», afinal a morte é o infinito!

É, talvez, isso: «movemo-nos em linha de montagem»…na sobrevivência.

 

António Sousa Pereira

 

Nota – O romance «A Caneta Infeliz», de Carlos Correia, pode ser adquirido no Amazon.com.br

https://www.amazon.com.br/Carlos-Alberto-Correia/e/B07K14R2MS%3Fref=dbs_a_mng_rwt_scns_share

 

A liberdade vai transformado a democracia em autocracias.

image1170x530cropped.jpg

Hoje celebra-se o Dia Internacional da Democracia, e, António Guterres líder das Nações Unidas, numa intervenção para evocar a efeméride mencionou que as tentativas de silenciar os jornalistas “se estão tornando mais descaradas a cada dia”, assim como, afirmou, cerca de 85% da população mundial sofreu os efeitos do declínio da liberdade de imprensa.

Neste mesmo, dia o Parlamento Europeu tomou uma posição politica afirmando que a Hungria, um país membro da União Europeia, “já não pode ser considerada uma democracia plena”, dado que a situação social naquele país “deteriorou-se tanto que tornou-se uma «autocracia eleitoral»”.
 
Todos sabemos, não é novidade que a democracia só se afirma e desenvolve pela pluralidade de ideias, pelo confronto de diferenças. Como sublinhava Virgilio Ferreira, a democracia não é uma ideologia, é um confronto de ideologias.
Por essa razão, quando se seca a capacidade critica, e, se menoriza o valor das ideias, a democracia esgota-se nos donos da história.
 
Sabe-se, todos sabemos,  que o silenciamento da comunicação social, a pressão sobre os jornalistas, o retirar condições dignas de exercerem a sua actividade profissional, criando dificuldades financeiras e promovendo anátemas contra os jornais e jornalistas, utilizando para tal as redes sociais, onde tudo é permitido, para hipervalorizar a informação dos poderes instituídos e atacar a liberdade de opinião, gerar ódios de estimação, quer contra os jornais, quer contra os jornalistas, tal como diz António Guterres são – cada vez mais descaradas.
 
É isso, e, por tudo isso, certamente, mais cedo ou mais tarde, essa realidade vai dar origem que a democracia seja substituída por outra coisa qualquer, na Hungria, agora, o Parlamento Europeu chama-lhe «autocracia eleitoral».
 
Uma das preocupações que vivo na minha actividade de «fazedor de jornalismo» é sentir que, por vezes, são aqueles que vestem camisola de democratas que, são eles, afinal, que cultivam, de forma subtil, como quem não quer a coisa, essa aversão ao jornalismo livre e pluralista. 
As ambições e os jogos do poder, a sobrevivência, coloca como lema de acção, uma frase que um politico já falecido, por vezes, comentava  comigo: “sabes na politica quem não mata, morre. Eles querem matar-me. Eu não lhes posso dar espaço de manobra”. Eu discordava porque achava que a democracia não tem que ser autofágica, nem na vida interna dos partidos, nem no combate entre os partidos.
 
Mas, a vida, deu-me uma lição, essa que se vive no mundo de hoje, onde o pragmatismo substitui cada vez mais a democracia, quer pela ausência do debate de ideias (nem falo em ideologias), mas sim, de facto, a ausência de ideias e ideais.
É, pois, urgente repensar as heranças democráticas vindas dos séculos XVIII, XIX e XX, porque, sem dúvida, o mundo mudou, e, isso exige a necessidade de ser repensar a democracia, para a fazer crescer, para a enriquecer, para lhe dar energia, e, dessa forma, motivar os cidadãos especialmente pela acção e estratégias de proximidade, que acreditem e vivam a vida politica, vivam a cidadania, e, nunca, mesmo nunca, abdicarem ou desistirem de ser actores no construir a cidade e viver a cidadania.
 
De facto, cada vez mais, os cidadãos estão sendo reduzidos a meros consumidores de pacotes, e pacotes e pacotes, ou tratados como simples algoritmos de gestão de imagem. 
Mas, a terra continua a girar…porque, na verdade, ainda há quem não desista de acreditar que é possível construir, sim construir, um mundo onde a liberdade seja sinónimo de dignidade, e, não seja apenas, isso que alguns querem, uma mera alforria que, pouco a pouco, vai transformado a democracia em autocracias. 
 
António Sousa Pereira
 
Foto - ONU

 

A minha avó Rita uma lutadora enorme

 

1915723_1250856906279_2611804_n (1).jpg

Na minha terra, a Rua da Espanha, e toda a área do Largo da Bica, era uma zona especial. Fui para aí viver, com a minha avó, após a morte da minha mãe, tinha 7 anos. Naquele tempo não havia água canalizada nas casas, íamos à Bica, com o cântaro de barro encher de água. Recordo vagamente quando, por essa altura, esventraram a rua, para instalar rede de água e esgotos.

 
A Rua da Espanha, a Rua Estreita era um mundo muito especial, a amizade sentia-se nas portas abertas de todas as casas. A rua era uma família.
Foi ali, que a minha avó, todas as noites ao deitar me ensinou a rezar e a benzer., junto a uma lamparina com azeite e um quadro de Cristo.
 
A minha avó era um mulher muito especial, pequenina, franzina, mas de uma energia incalculável, tudo fazia, após sair da fábrica, do Parody, onde exercia a sua profissão de Operária Conserveira, depois ainda pela noite dentro, quando não fazia serões, prestava serviços de limpeza e cozinheira, para garantir a comida e uma vida saudável a mim e à minha irmã Josefa. Contava com o apoio do meu tio Lisberto.
 
A minha avó Rita, era uma lutadora enorme. Uma Senhora de grande dignidade e nobreza. Pura de sentimentos. Feliz na sua simplicidade. Amava a vida, apesar de vestir sempre de negro, nunca a vi vestida de outra cor. A cor do luto e da dor.
 
No dia de hoje, há 45 anos, a minha avó partiu para o infinito. Eu tinha acabado de fazer 25 anos. Ela partia com 75 anos.
Recordo que dias antes dela partir fui a Vila Real de Santo António para estar com ela, que estava acamada, já há alguns tempos na casa minha Tia Arminda. Escreveram-me a dizer que a avó tinha o desejo de me ver, queria estar comigo.
Meti-me no comboio e lá fui. Estive junto à cama dela, há dias que não falava disseram-me, nem sequer abria os olhos.
 
Naquela última manhã que estive com ela, abriu os olhos, sorriu para mim, falou comigo, apertou-se as mãos, ainda sinto as mãos dela a tocar o meu coração. Olhou para mim e disse: «És tu Tonico». E apertou seus dedos nos meus dedos.
 
Nesse mesmo dia regressei ao Barreiro, e, no dia seguinte recebi a notícia da sua partida.
Recordo, hoje, 45 anos depois esse dia do ano de 1977, quase meio século, mas que continua presente na minha memória, os seus dedos a tocar, os seus olhos a olhar os meus: «És tu Tonico». Foram as últimas palavras que escutei da minha avó, uma heroína, uma mulher de luta e garra, uma senhora que me ensinou a sentir que a vida é para viver e nunca desistir de lutar: porque lutar é abraçar a vida e sentir o futuro no coração.
 
António Sousa Pereira

Barreiro : o pulsar da cultura democrática na vida política

303351304_10224234891958583_5142393736851876530_n.

Após o regresso de uns dias de férias, por Évora, estava com curiosidade de assistir à reunião pública da Câmara Municipal do Barreiro.

Por razões pessoais, só hoje, pela manhã, fui ver a gravação da reunião de ontem, e, apenas tive tempo para ver o ponto de antes da ordem do dia.

Curiosamente, quando acabou esse ponto, ocorreu-me ao pensamento que, esta reunião, pelo menos nestes seus primeiros 40 minutos, decorreu de forma cívica e democrática. O que não é habitual.

Registaram-se as naturais divergências de ideias ou opiniões sobre a vida local e sobre acontecimentos que marcam o quotidiano da comunidade, mas para fundamentar as diferenças, felizmente, esteve ausente a narrativa, por vezes, irritante de uma maioria absoluta, que, parecia não se dar bem com a democracia.

E, por essa razão, escrevo esta Nota do Dia, para sublinhar os 40 minutos de vida democrática salutar, de respeito pelas diferenças, e, até, pela convergência, na diversidade, de reflexão sobre matérias da vida da polis. Não sei se o resto da reunião decorreu com o mesmo espirito, mas, estes 40 minutos, foram um exemplo de como num executivo municipal podem existir diferentes pontos de vista e existir respeito pelas diferenças, sem necessidade de certo tipo adjectivações.

 

Se estes 40 minutos, forem um exemplo de mudança e de valorização da vida democrática fico satisfeito, se é uma situação circunstancial numa estratégia meramente enquadrada numa psicologia de “gestão de conflitos” e de “imagem”, itica nos dias de hojedas o tempo o dirá, e, como o tempo tudo esclarece, então, cá estaremos para ver se é um mero acaso ou se, de facto, é uma aprendizagem democrática. Sim porque viver em democracia é uma aprendizagem permanente.

E, na verdade, se há um tempo que nos permite sentir o pulsar da cultura democrática na vida politica, esse, sempre foi, e sempre será o vivido em tempos de democracia absoluta, principalmente quando esta se transforma em “poder absoluto”. E tem sido, assim, muitas vezes.

 

António Sousa Pereira

 

 

Associação «Os Camarros» : pelo amor de ligar o rio à cidade

299814399_10158705422492681_2707569361715226832_n.

 

A associação «Os Camarros« com a sua proposta e a sua dedicação, empenho e paixão, está a contribuir para introduzir nas Festas do Barreiro uma linha inovadora, de valorização da actividade piscatória como nicho de referência na vida local, e, dar à procissão de Nª Srª do Rosário uma dimensão religiosa, cultural e de promoção de uma imagem do Barreiro, que pode ser um âncora ao nível turístico.
 

A ligação da cidade ao rio tem vindo a ser una realidade ao longo das últimas décadas, quer através da melhoria da qualidade das águas do Tejo e do Coina, quer pela criação ade acessibilidades, quer pela requalificação dos espaços ribeirinhos.
A criação de condições com mais dignidade para a pesca artesanal, nomeadamente, com o protocolo de cedência da Doca da CP ao município, a criação de condições de ligação ao rio, tem contribuído para a dignificação da actividade dos pescadores e valorização do papel social da vida dos homens e mulheres que dedicam as suas vidas à arte da pesca.

A fundação de «Os Camarros» Associação de Pesca Local, é um exemplo real da valorização do papel social dos pescadores na vida barreirense.

No ano 2021, a associação «Os Camarros» lançou o repto de realização de um troço da Procissão de Nª Srª do Rosário, por via marítima, diz-se, retomando uma prática que há mais de um século não se realizava.
O evento contou com a participação de barcos de pescadores e barcos de recreio, dando um colorido e um ar festivo, a uma romaria que era inédita, pois perde-se na memória dos barreirense a existência desta tradição, que remonta às origens das Festas de Nª Srª do Rosário, aos finais do século XVIII.
A procissão foi acompanhada nas margens do Tejo e Coina por muitas pessoas que viveram este acontecimento inédito para a comunidade barreirense.

De novo este ano, pela segunda vez, a associação «os Camarros« organizou a Procissão Marítima nas águas dos Rios Tejo e Coina, que ganhou uma maior dimensão, envolvendo pescadores de diversas comunidades piscatórias do Tejo – do Seixal, da Moita, da Trafaria, do Montijo, de Alcochete, unindo as margens e as gentes do Tejo. Empresas de turismo do Tejo envolveram-se no evento.
A associação «Os Camarros« com a sua proposta e a sua dedicação, empenho e paixão, está a contribuir para introduzir nas Festas do Barreiro uma linha inovadora, de valorização da actividade piscatória como nicho de referência na vida local, e, dar à procissão de Nª Srª do Rosário uma dimensão religiosa, cultural e de promoção de uma imagem do Barreiro, que pode ser um âncora ao nível turístico.

 

A presença da muleta «Álvaro Velho», neste cortejo. Um barco único no mundo, enriqueceu e valorizou este evento religioso, cultural.
A associação «Os camarros» está de parabéns, pela promoção da ideia, pelo seu empenho, por abrir os braços ao tejo, trazendo as comunidades piscatórias da região a viver este dia com intensidade, por contribuir para aproximar os Rios Tejo e o Coina das vivências quotidianas do concelho do Barreio, pelas margens dos rios que o Barreiro é um concelho com uma zona ribeirinha de grande beleza, e, esta é uma marca única a valorizar e preservar.

Por tudo isto, pela perseverança, pela persistência, pela dignidade que a associação «Os Camarros» colocou na organização da procissão Marítima de Nª Srª do Rosário, e, acima de tudo pela humildade e pureza colocada na sua acção, merecidamente, atribuímos aos homens e mulheres de «Os Camarros» Associação de Pesca Local a distinção «Rosto da Semana.

António Sousa Pereira

VER FOTOS
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10158705482912681&type=3

“Nem tudo o que parece é…”

IMG_9056.JPG

Um destes dias, nas redes sociais, a propósito de uma fotografia publicada pela minha amiga Vera Silva, comentei: “lindo sorriso com os olhos”. Os seus olhos partilhavam emoção e alegria.
 
E, ontem, numa troca de palavras com o meu amigo Pedro Vasconcelos, recordei este comentário, para lhe dizer, sabes, uma coisa que aprendi com a pandemia foi a sentir o sorriso nos olhos. Os olhos tudo comunicam.
 
Olhar, olhos nos olhos, nos nervos dos olhos, é uma forma de sentir pulsar o coração. Mergulhar na interioridade. Sentir que somos com os outros. A pandemia ensinou-nos essa lição. Mas já esquecemos.
Por isso, por vezes, delicio-me a observar a diferença entre o rir com os dentes, e o rir com os olhos.
O sorriso com os olhos nasce no coração. É puro. É terno. Tem aquele sabor de mel. É um sorriso que se dá e se recebe.
O sorriso com os dentes nasce, talvez, no estômago. É uma comédia, ou talvez uma mera necessidade. Freud, explica isso.
 
Ao longo da minha vida, sempre me apaixonei pelo olhar. É no olhar que tudo começa, naquele instante que bebemos sofregamente a beleza da vida. Como dizia Augusto Cabrita – “a beleza existe, temos é que descobri-la”.
É por isso que, com o olhar abraço a natureza, o ceú, o sol, o luar, o mar, e, através dele sinto, parafraseando o poeta, que pelos olhos "vou para o mundo" e pelos olhos toco na energia do mundo.
 
Ocorreram-me todas estes pensamentos, a propósito de uma conversa que decorreu, perto de mim, daquelas conversas que acontecem por acaso, que escutamos sem coscuvilhice, mas, ao escutar, sentimos o pulsar do mundo real. Palavras que expressavam a amargura dos sorrisos, que comentavam fotos de circunstância. É vida.
Sim, ao escutar aquela troca de palavras registei, escutei a dor gravada nos olhos e no silêncio, ali, no meio da Procissão de Nª Srª do Rosário. De tudo o que foi dito guardei uma frase, limpa e dura, que voava entre as pétalas que desciam espalhando, no seu voo, o brilho, o colorido da palavra amor.
E, na verdade, naquele ambiente de religiosidade, aquela frase cravou-se nos meus ossos: “Nem tudo o que parece é…”.
Olhava em meu redor e percebia o contexto daquelas palavras que abafavam o silêncio.
 
Também, ali, ao meu lado, um jovem, talvez dos seus 30 anos, com a dor a respirar nos seus olhos, de lábios trémulos, como quem reza, intimamente, fixava a imagem de Nª Srª do Rosário. Ao seu lado eu lia, nos seus lábios, em sons mudos, o seu grito: Ajuda-me!
Sentia-se a fé nos olhos. Porque a fé é coisa que se sente, ou não se sente.
 
Quando navegava no Tejo, no cortejo marítimo da procissão de Nª Srª do Rosário, uma senhora brincava, rezava, tocava suave e silenciosamente o terço que descia no seu peito como se fosse um colar. Pedia na sua oração. É isto a fé, que não se explica.
No decorrer da viagem contou que estivera muito doente, com um cancro, e, na sua oração, pelo Tejo, agradecia por ainda estar viva – “sofri muito”.
A procissão no rio foi uma festa. Brincava-se. Vivia-se um ambiente de convívio e solidariedade.
 
Nas margens milhares de pessoas observavam. Sempre vi milhares de pessoas nas ruas do Barreiro, nos dias da Procissão de Nª Srª do Rosário. Não é nenhuma novidade os milhares de pessoas que ocorrem, vindos de muitos lados.
E, ao longo dos anos, sempre vi presentes pessoas de todos os partidos. Porque, afinal, a religião não tem partido.
Sempre que estou pelo Barreiro nos dias da Procissão de Nª Srª do Rosário lá vou observar, fotografar, sentir o pulsar das gentes camarras, que vivem este dia com fervor, sempre o viveram.
 
A Procissão de Nª Srª do Rosário, tem uma espiritualidade muito própria, que se cruza com a identidade de um povo, um povo que nunca foi submisso, por isso, sim, talvez por isso, revoltava-se, quando via a Igreja, estar ao lado de quem reprimia e prendia os que lutavam pela Liberdade.

Nestes dias, não sei porque razão, a procissão tem sido tema de conversa com alguns amigos. Uns que dizem defender a separação entre o Estado e a Igreja, questionando se o Poder Politico se devia expor e ser co-organizador deste evento religioso. Eu comentava que não via mal que o Poder Politico marcasse presença, porque institucionalmente, deve responder a convites e respeitar, esta, e, todas as religiões.
 
Outro meu amigo, que se afirma ateu, esse então, nem via com bons olhos a presença dos políticos nas cerimónias religiosas.
Comentei que ao longo dos anos vi marcar presença na Procissão de Nª Srª do Rosário presidentes de Câmara, do PCP e do PS. Não vejo nisto qualquer problema.
Na verdade, o importante é que exista separação de entre o poder espiritual e o poder temporal.
 
O triste, isso sim, é quando os políticos, ou até mesmo os padres, querem usar a religiosidade, como a arma de arremesso politica ou sócio cultural. Isto, de facto, em nada ajuda a salutar convivência.
 
Na verdade, ainda há muito a percorrer para cultivar, aprofundar e apreender o sentido e o significado da palavra «fraternidade», tão valorizada pelo Papa Francisco, na sua Carta Encíclica - «Fratelli Tutti – sobre a fraternidade e a amizade social», um texto que li apaixonadamente e cuja leitura aconselho, a crentes e não crentes, porque fala de «bem comum», de «valores comunitários», de «relações de vizinhança».
 
Ali, por exemplo, o Papa Francisco afirma que: “a politica deixou de ser um debate saudável sobre projectos a longo prazo para o desenvolvimento de todos e do bem comum, limitando-se a receitas efémeras de marketing cujo recurso mais eficaz está na destruição do outro. Neste mesquinho jogo de desqualificações, o debate é manipulado para manter o estado de controvérsia e contraposição. Nesta luta de interesses que nos coloca a todos contra todos, onde vencer se torna sinónimo de destruir…”
 
Ah, é verdade, também afirma, nesta sua encíclica que : “O mercado, por si só, não resolve tudo, embora, às vezes nos queiram fazer crer nesse dogma de fé neoliberal. Trata-se de um pensamento pobre, repetitivo, que propõe sempre as mesmas receitas perante qualquer desafio que surja”.
 
Enquanto navegava no Tejo, a bordo do «Sejas Feliz», barco da empresa que vai gerir a muleta «Álvaro Velho», nos próximos dez anos, deitava os meus olhos nos areais de Copacabana, de Alburrica, do Mexilhoeiro…mergulhava os meus pensamentos no silêncio das ondas, apenas, para descobrir a beleza da vida e abraçar a natureza com aquela ternura que se sente, sempre, quando nos olhos sentimos brotar a paixão pela vida.
 
António Sousa Pereira

O buraco de Santa Engrácia já está tapado…

300157612_10224170738114777_7521677231390902682_n.

Hoje, finalmente, após meses e meses, lá vieram arranjar o passeio e o buraco, na Urbanização dos Loio, que, para além de ter estado meses a verter água, depois de resolvido o problema da fuga de água, esteve mais uns meses, até agora para ser resolvido o calcetamento.

Na minha rua em tempos idos, quando as coisas corriam desta natureza criticava-se a Câmara e a Junta de freguesia, na época geridas pela CDU. Era de tudo um pouco, de incompetência a desleixo, ao Lavradio ao abandono.

Agora tudo está bem é normal. São dificuldades de recursos humanos. Ou outras questões.
Neste caso as obras realizadas numa fase foram da competência da Câmara Municipal, no que diz respeito ao arranjo da válvula, ou lá o que era, qualquer coisa na rede de águas. Meses por resolver. Depois meses semi-resolvido. O silêncio era total. Não escutei a voz de antigos críticos a expressar opinião. Pessoalmente também nunca toquei no assunto. O meu medo era ser acusado de comunista, sim, porque agora, qualquer um que tece comentários é comunista. Optei pelo silêncio. Até porque, por vezes, parece que já estamos no antes do 25 de Abril.

 

Mas hoje, pela manhã, após meses de silêncio ao ver que a aquela obra estava em curso. Fiquei feliz e decidi escrever esta «nota do dia». Temos passeio.
Eu até percebo a situação. E considero que não existindo recursos não é possível chegar a todo o lado. Uma Junta de freguesia com a dimensão da União de Freguesias do Barreiro e Lavradio que conta apenas com um calceteiro, não tem, obviamente, condições de resolver todas as situações. Sendo as matérias de calcetamento uma descentralização para as freguesias, assim é difícil se os meios financeiros não forem suficientes.

Mas isto não é assim de agora, já era assim nos outros tempos, talvez desde o ano 2013, que apenas existe um calceteiro. Mas nos tempos da CDU os atrasos eram uma vergonha. Nos dias de hoje são outras razões. O facto é que há dificuldades de admitir mais um calceiteiro. A opção, naturalmente, seria optar pela formação.
Mas pronto, habemus passeio. Estamos de parabéns. E, os más línguas que comentava que aquela obra era a obra de Santa Engrácia, pode engulir o sapo e tomar Kompensan.

O pessoal quando regressar de férias vai viver um momento de felicidade, esse mesmo que senti, hoje, pela manhã.
Cá por mim fiquei feliz…e já não tenho que ao passar por ali, diariamente, e pensar nunca mais resolvem isto. Sim, só pensar. E por vezes, olhava para os lados e sentia que tinha medo de pensar…
Parabéns à Junta de Freguesia que conseguiu demorar menos tempo a arranjar o passeio que a Câmara demorou a resolver o problema da rede de águas.
Já está pronto, isso é que importa. É caso para dizer – isto é noticia!

António Sousa Pereira

Do «culto do presidencialismo» e do «culto da personalidade»

 

294311552_10224056419816891_2901305707808045893_n_

Um dos meus hábitos, é, com alguma regularidade, ir dar um passeio junto ao Rio Tejo, dou uma volta pelo Passeio Ribeirinho Augusto Cabrita. Sento-me a beber um café na esplanada do Grupo de Dadores de Sangue do Barreiro, ou para ler o jornal, ou um livro, enquanto deito os meus olhos nas águas da «Catedral do Tejo».
 

Uma destas manhãs, por mero acaso, encontrei o meu amigo Carlos Humberto, uma das pessoas que conheço desde os tempos de antes do 25 de Abril, com quem partilhei, em tempos idos, o mesmo ideal politico, que exerceu o cargo de Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, e, que nas últimas eleições foi candidato à presidência pela CDU, sofrendo uma aparatosa derrota.

Sempre mantive com o Carlos Humberto uma cordial amizade, tenho por ele um grande respeito e consideração, pelo seu humanismo, pela sua forma de estar na vida, como homem de diálogo e construtor de pontes. Um homem que vive a politica com valores.
Essa uma das razões porque o defendia e repudiava as campanhas difamatórias e de destruição de carácter, que lhe foram movidas, injustas e vergonhosas, porque, na verdade, quando em politica vale tudo, a politica deixa de ser uma causa nobre e digna, para ser apenas, e só, uma guerrilha de luta pelo poder, para manter o poder e um jogo de ambições.

Aliás, digo, tenho dito e repito, que Carlos Humberto e Emidio Xavier, são os dois presidentes de Câmara que ocupam o primeiro lugar no ranking, bem distantes, quer na forma, quer no conteúdo – no ser e estar - no exercício da presidência da Câmara Municipal, desde que foi instituído o órgão «presidência».

No último Feriado Municipal, todos os ex-Presidentes de Câmara e todos os ex- Presidentes da Assembleia Municipal do Barreiro foram distinguidos com o «Medalhão Cidade do Barreiro», entre eles, naturalmente Carlos Humberto.

Na altura não escrevi nada sobre o assunto, mas, enquanto estava a beber o café, e, numa amena conversa com Carlos Humberto, comentei que por um lado achava que devia ter recusado receber a distinção, depois de tudo o que foi acusado e vilipendiado pela gestão socialista, que, inicialmente começou por acusar todos os presidentes de Câmara, por durante 40 anos terem paralisado o Barreiro e terem sido incapazes de aproveitar o potencial. Mas, depois, como verificaram que nos 40 anos estava incluído o ex-presidente Emidio Xavier, PS, passaram para os últimos 12 anos, obviamente os relativos aos anos de liderança de Carlos Humberto.
Por isso disse-lhe: “Devias ter recusado essa distinção”, e, acrescentei – “mas, percebo que fosses receber, porque depois passavas, mais uma vez a ser o mau da fita, e lá vinha mais uma campanha”.

Aproveitei para dar a minha opinião, sobre estas distinções que, considero, mais não visam que promover o «culto do presidencialismo» e o «culto da personalidade», centrando o Poder Local na figura do presidente. O marketing dos tempos actuais.
Talvez por essa razão, naquela conversa, senti-me importante, sim, porque estar sentado na mesa de um café com um ex-presidente de Câmara, é estar sentado com um presidente, e um presidente é sempre uma pessoa importante, afinal, a verdade é que, tal, como nos fuzileiros, «presidente de Câmara uma vez, presidente de Câmara toda a vida”.

Aliás, há quem diga, que o presidente deve ser visto como «símbolo» e «bastião» daquilo que é mais importante em democracia. Não é a cidadania, não é a participação dos cidadãos, não é sequer aquilo que alguns definem como a «casa da democracia», por exemplo a Assembleia Municipal, ou o executivo municipal, ou o direito a eleger e ser eleito. São os presidentes os bastiões.
E, ali, junto ao Tejo, eu tinha a honra de estar sentado a beber café com um «bastião» e isso, se por um lado me fazia sentir pequenino, perante um bastião, por outro lado, ao mesmo tempo sentia-me orgulhoso, e pensava : “Estou sentado ao lado de um presidente, porque ser presidente uma vez é ser presidente para sempre”.

E, neste deambular por pensamentos, dou comigo a reflectir que, de facto, Carlos Humberto, para além do muito trabalho que inscreveu no terreno nos seus mandatos de presidente, deixou um legado que foi a base da «politica de cuco», que marcou o exercício do mandato anterior da gestão socialista e, até mesmo já se sente no actual mandato, por exemplo, uma delas, e, talvez a principal que nunca ninguém antes teve, foi a casa «arrumada», fruto da gestão «Deficit zero».

Depois, bom depois, desde a nova frota dos TCB, passando pelo protocolo da Doca Seca da CP, ou pela negociação dos terrenos do Gaio, ou pela resolução da situação da Quinta das Canas, ou pelas candidaturas das AUGIS, enfim, fiquemos por aqui, mas até podia referir coisas que estão a vir a lume no actual mandato, como é o caso do recente investimento anunciado de milhões e criação de centenas de empregos, pela Sogenave.

Carlos Humberto é mesmo um grande senhor. Não partilho, por razões óbvias, o seu ideal politico, fruto da história e da vida, mas comungo o seu amor ao Barreiro e a forma como sempre esteve de coluna vertical perante o Poder Central, fosse PSD ou PS.
Louvo a sua coragem de ter ido receber a distinção, e, aceitar, estar ali, de pé, ele, e todos os ex-presidentes, formados, como se fosse uma equipa de futebol a receber uma distinção, sem direito a usar a palavra. Todos em silêncio a escutar o discurso do futuro condecorado, claro, porque a partir de agora, todos os presidentes serão condecorados, será uma indelicadeza se tal não for feito. É a condecoração por inerência.
E se cada presidente é um símbolo e bastião, cada presidente merecia ter um reconhecimento pessoal, único, não é assim, tudo ao molho em fé em Deus.

 

Ah, é verdade, já agora, o meu obrigado à minha amiga Vera Jardim que teve a amabilidade e a simpatia de trazer uma cadeira para Helder Madeira se sentar, pois, sentia-se estava em dificuldades, ser obrigado a estar ali, de pé, a ouvir a narrativa do futuro condecorado.
Helder Madeira, devido à idade, subiu ao palco com dificuldade e, só isso, humanamente merecia respeito e um cuidado protocolar especial, acima de tudo a dignidade devida e indispensável ao ancião e CIDADÃO HONORÁRIO DO BARREIRO.
Aliás, merecia receber a distinção sozinho ( aliás todos mereciam) e, Helder Madeira, merecia, ter tido o direito de usar a palavra, como grande, enorme e bastião da democracia e da pureza do Poder Local. Se soubessem o que era gerir a autarquia naqueles tempos, com tanto amor e voluntariado.

Ah, é verdade, e, já agora, embora não tendo sido eleito, Helder Fráguas, que exerceu a Presidência da Câmara, após o 25 de Abril, na Presidência da Comissão Administrativa, também merecia, a título póstumo, ter sido distinguido com o « Medalhão de Honra da Cidade», uma distinção que também significaria um abraço a uma equipa plural, democrática que lançou as raízes que abriu o caminho para as eleições democráticas e para o Poder Local.

 

Olha, Carlos Humberto, isto foi parte do que falei contigo, aquilo que estive para escrever no Feriado Municipal, fica hoje, aqui, com a minha compreensão porque foste receber a distinção. Tu que, afinal, não fizeste nada e deixas-te o Barreiro atrasar-se no tempo, afinal, foste distinguido. Enfim, é vida, és eleito, logo tens direito. Abraço.

E ainda, já agora, aproveito para dar um abraço ao meu amigo Emidio Xavier, e agradecer as suas palavras simpáticas, na minha página de Facebook, a propósito dos meus 70 anos. Presidente, um dia destes vamos beber um café…e falar em coisas lindas da vida. Abraço.

António Sousa Pereira

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

COMUNICAÇÃO SOCIAL

AUTARQUIAS

ESCOLAS

EMPRESAS

BLOGUES DO BARREIRO

ASSOCIAÇÔES E CLUBES

BLOGUES DA MOITA

SAPO LOCAL

PELO DISTRITO

CULTURA

POLITICA

TWITTER

FACEBOOK ROSTOS

Em destaque no SAPO Blogs
pub