Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entre Tejo e Sado

Por dentro dos dias e da vida

Por dentro dos dias e da vida

A vida amanhã continua…

arotary 007.JPG

 

 

Hoje foi o meu primeiro dia após as férias. Aproveitei para tomar o pulso ao tempo, sentir as ruas da cidade, olhar as paisagens, tocar no vento, ali, junto ao Tejo.

Vi, nas ruas, a presença das autárquicas, sem nada de novo, apenas os rostos já conhecidos e aquelas frases que, acho, pretendem marcar as diferenças na forma de pensar a cidade e os seus problemas.

Encontrei amigos e conhecidos. Pouco conversei.

Tratei de alguns assuntos. E, na verdade, enchi o dia com a leitura do suplemento do jornal «Público» que assinalava as suas 10.000 edições. Sou leitor do «Público» desde o seu primeiro número é um jornal que me proporciona, diariamente, os mais diversos temas para pensar e sentir o tempo que vivo. Recordo, com saudade, a rúbrica de Eduardo Prado Lourenço.

 

Um jornal que me ajuda a compreender a importância do jornalismo que motiva a pensar, que rasga caminhos, que ajuda a criticar, que promove confronto de ideias, que se insurge contra o politicamente correcto, que ajuda a sentir que ter opções, é, acima de tudo, ter um suporte de valores onde se enraíza a vida e o olhar para o presente e o futuro. E, digo-vos, ter opções é mais, muito mais, que ter opiniões. As opções estão no coração. As opiniões são feitas pelo movimento dos dias e da vida.

 

É difícil num mundo marcada por maniqueísmos, onde muitas vezes verificamos que para defender pontos de vista, mais que afirmar diferenças, opta-se por rotular e destruir carácter.

Este jornal tem sido para mim um guia para a acção e delicio-me, todos os dias, quando percorro as suas páginas. Não digo que seja a perfeição, mas isso, da perfeição é só para os perfeitos. Mas este jornal, é, sem dúvida, um jornalismo de referência.

Respeitar as diferenças é essência da democracia e a força da cultura democrática. Sinto isso nas suas páginas, na diversidade de ideias e na abordagem de temas.

Tenho pena, por vezes, que a margem sul, não mereça mais espaço nas suas páginas.

 

Enfim, mas, isto do fazer jornalismo é complicado, principalmente, quando se agudizam os conflitos da luta politica.

Nestes tempos ter opinião é o mesmo que ter opção. Porque existem os possuidores da verdade que não admitem outras verdades. Nem percebem que ter opinião é muito diferente de ter opção.

Posso concordar com alguém subjectivamente, mas não estar dispor a seguir o seu caminho objectivamente. É uma questão de critério, porque, afinal, há mais vida que aquela expressa na interpretação subjectiva.

Se valorizamos uma personalidade pela sua acção, aqueles que a combatem, apenas por combater, muitas vezes sem fundamento, apenas porque é preciso combater, erguem-se logo de dedo em riste, rotulando. Tu és isso… Coisas de puristas.

 

São estas as minhas reflexões, neste final do primeiro dia de regresso de férias, depois de andar pelas ruas da cidade e sentir a cidade. Por aqui termino. A vida amanhã continua…

 

António Sousa Pereira

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

COMUNICAÇÃO SOCIAL

AUTARQUIAS

ESCOLAS

EMPRESAS

BLOGUES DO BARREIRO

ASSOCIAÇÔES E CLUBES

BLOGUES DA MOITA

SAPO LOCAL

PELO DISTRITO

CULTURA

POLITICA

TWITTER

FACEBOOK ROSTOS